Poder Goiás
Goiânia, 07/04/20
Matérias
Roque de Sá/Agência Senado

Fala de Vanderlan mostra que ele parece desconhecer, por exemplo, o Estatuto da Criança e do Adolescente - da qual o Brasil e outros 190 países são signatários

Vanderlan usa seu exemplo de riqueza para fazer apologia ao trabalho infantil aos 6 anos de idade

06/07/2019 · Por Eduardo Horacio

Após uma polêmica declaração favorável ao trabalho durante a infância, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi alvo de muitas críticas de especialistas em educação e defensores dos direitos humanos. Ainda assim, o senador Vanderlan Cardoso (PP-GO) pegou carona na polêmica 24 horas depois e, fazendo referência ao seu sucesso empresarial, defendeu a controversa posição do presidente da República.

Os eleitores goianos já estão cansados de saber que Vanderlan gosta de contar sua história de sucesso no meio empresarial. Em todas as campanhas, o parlamentar destaca sua infância pobre e os trabalhos simples que exerceu durante a vida, até se transformar em um dos maiores empresários do Estado.

“Trabalho desde 6 anos de idade. Engraxei sapatos. Vendi bolo que minha mãe fazia. Fui feirante e tantas outras profissões”, relatou Vanderlan Cardoso em sua conta no Twitter. “Antes de completar 18 anos já tinha minha empresa. Hoje, além de senador, sou empresário e dou emprego a mais de 2 mil pais de família. O trabalho enobrece”, aponta o senador.

Para qualquer cidadão, acreditar que o trabalho aos seis anos de idade “enobrece” é grave. Para um senador da República, responsável por zelar pelo cumprimento da nossa Constituição, confessar que é favorável ao trabalho infantil não é apenas lamentável, como também preocupante. Falas desse tipo atrapalham os já desidratados programas de erradicação do trabalho infantil - um dos problemas sociais mais graves do Brasil. 

Vanderlan parece desconhecer, por exemplo, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O artigo 53, por exemplo, destaca que “a criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho”. “É proibido qualquer trabalho a menores de 14 anos de idade”, resume o artigo 60 – algo do qual o Brasil e mais 190 países são signatários.

Vanderlan trabalhou, ganhou dinheiro, tornou-se milionário e decidiu, então, migrar para a política – cujo mandato hoje é pautado pela defesa contundente da classe empresarial. Acreditar que o fato de ser uma raríssima exceção pode ser exemplo de conduta não é apenas falácia, é um completo descompasso com a realidade.

O trabalho na infância suprime direitos fundamentais. Criança que trabalha, em geral, está fora da escola ou tem desempenho inferior às demais – sem mencionar as brincadeiras, atividades lúdicas e estabelecimento de relações sociais. Sem educação efetiva, o futuro profissional e psicológico dessa criança estará comprometido definitivamente.

Vanderlan sonha em ser governador de Goiás, cargo que já tentou duas vezes, e prepara-se para a disputa eleitoral de 2022. Para se cacifar à disputa, seria melhor o senador estudar minimamente pelo menos os direitos das crianças e adolescentes.

Bolsonaro
Durante transmissão semanal no Facebook, na última quinta-feira, 4, o presidente Jair Bolsonaro defendeu o trabalho durante a infância. Segundo ele, trabalhou em uma fazenda, no interior de São Paulo, quando o pai era administrador da propriedade na região de Eldorado Paulista, no Vale do Ribeira.

“Eu, com 9, 10 anos de idade, quebrava milho na plantação e quatro ou cinco dias depois, com sol, ia colher o milho. Olha só, trabalhando com 9, 10 anos de idade, na fazenda, não fui prejudicado em nada”, afirmou. Para Bolsonaro, o trabalho não “atrapalha a vida de ninguém”. 


Vanderlan Cardoso Trabalho Infantil Jair Bolsonaro