Poder Goiás
Goiânia, 30/03/20
Matérias
Divulgação

Queixa pública de Siqueira a Kajuru tem Bolsonaro como motivo

Kajuru diz estar “cagando” para Bolsonaro, ataca presidente do PSB e indica saída do partido

28/06/2019 · Por Pedro Lopes

Com material do site Congresso em Foco

O senador Jorge Kajuru (PSB) afirmou estar “cagando” para o presidente da República Jair Bolsonaro e mandou o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, para “o raio que o parta”. As declarações foram dadas durante comentário diário que o parlamentar estreou na Rádio Sagres 730, em prévia do retorno da equipe esportiva Feras do Kajuru, liberada por ele entre anos de 1986 e 2002.

Após anunciar reforços para a equipe esportiva que tem reestreia prevista para julho, Jorge Kajuru disse ter passado um dia “cheio de problemas”. Misturando temas, em meio ao anúncio de novos integrantes para a equipe esportiva, o senador falou de sua relação com Bolsonaro e relatou desprezo pelo presidente do PSB, Carlos Siqueira, que havia pedido, em carta, sua desfiliação da legenda no dia anterior.

“Acaba de chegar aqui o futuro prefeito de Goiânia, Elias Vaz, deputado federal (do PSB), meu irmão, meu amigo, companheiro, que sabe como sou. Se o partido dele não sabe como sou, problema do partido dele (...) Vou continuar assim, independente, se o cara é ‘bão’ é ‘bão’, se ele errar eu falo, se ele acertar eu falo, né? Desculpa a expressão, eu tô ‘cagando’ com o [presidente, Jair] Bolsonaro”, declarou Kajuru.

Jorge Kajuru tentou explicar, então, como age em relação a Jair Bolsonaro. “Se ele errar eu vou ‘meter o pau’, igual ‘meti o pau’ nele por causa da demissão do Marco Antônio Villa, da Jovem Pan. Na hora que ele acertar, ele vai acertar… o cara quer aprovar e sancionar o projeto do diabetes no Brasil inteiro, eu vou xingar ele?”, o projeto em questão, de criação de centros especializados em diabetes, é uma das bandeiras de Kajuru. 

Guerra interna
A queixa pública de Siqueira a Kajuru tem Bolsonaro como motivo. Depois de votar contra o decreto do governo, que liberava porte e posses de armas para várias categorias profissionais, o senador recuou e procurou o presidente da República para manifestar apoio ao tema. A decisão desagradou o presidente do PSB, que desautorizou o posicionamento de Kajuru e sugeriu que ele deixasse o partido.

A reação de Kajuru (ressalvando a amizade com o deputado Elias Vaz, que o levou a filiar-se no PSB após a eleição) foi atacar Carlos Siqueira. “Agora, o presidente do partido dele, que se diz socialista, acha que não posso fazer isso. Então, que ele vá pro ‘raio que o parta’. Enfim, é uma questão política que vou resolver aqui. Depois todos saberão”, indicado que deve acatar a sugestão do presidente do PSB e deixar a legenda. 

Veja a transcrição de trecho do comentário de Jorge Kajuru feito ontem na Rádio Sagres 730:

“Muito obrigado por este dia, por esta quinta-feira, que é dura pra mim. Politicamente, eu estou cheio de problemas. Tenho aqui, agora, reuniões importantíssimas. Acaba de chegar aqui o futuro prefeito de Goiânia, Elias Vaz, deputado federal [do PSB de Goiás], meu irmão, meu amigo, companheiro, que sabe como sou. Se o partido dele não sabe como sou, problema do partido dele. Ele sabe vai ser meu amigo sempre. Pronto e acabou. E eu vou continuar assim, independente, se o cara é ‘bão’ é ‘bão’, se ele errar eu falo, se ele acertar eu falo, né? Desculpa a expressão, eu tô ‘cagando’ com o Bolsonaro. Né? Se ele errar eu vou ‘meter o pau’, igual ‘meti o pau’ nele ontem por causa da demissão do Marco Antônio Villa, da Jovem Pan. Na hora que ele acertar, ele vai acertar… o cara quer aprovar e sancionar o projeto do diabetes no Brasil inteiro, eu vou xingar ele? Agora, o presidente do partido dele [Elias Vaz], que se diz socialista [Carlos Siqueira], acha que não posso fazer isso. Então, que ele vá pro ‘raio que o parta’. Enfim, é uma questão política que vou resolver aqui. Depois todos saberão.”


Jorge Kajuru Jair Bolsonaro PSB Congresso em Foco