Poder Goiás
Goiânia, 30/03/20
Matérias
Foto: Divulgação

Baldy hoje na secretaria de Transportes de São Paulo: possibilidade de retorno a Brasília, novamente como ministro

Afago de Bolsonaro ao Congresso pode levar Alexandre Baldy ao Ministério das Cidades

13/05/2019 · Por Eduardo Horacio

Atual secretário de Transportes de São Paulo Alexandre Baldy (PP) é cotado para voltar a Esplanada dos Ministérios. Ex-deputado federal por Goiás e ex-ministro das Cidades no governo do presidente Michel Temer (MDB), Baldy é aliado próximo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e tem trânsito com o chamado centrão – grupo de parlamentares independentes, considerados fundamentais pelo governo para a aprovação da reforma da Previdência.

Assim que assumiu o mandato, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) unificou os ministérios das Cidades e Integração Nacional, criando o Ministério do Desenvolvimento Regional. Passados cinco meses, com necessidade de melhorar a interlocução com o Congresso, o presidente cogita voltar a desmembrar a pasta – o enxugamento dos ministérios era promessa de campanha de Bolsonaro. O atual ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, assumiria a Integração Nacional.

O ministério das Cidades é considerado um dos mais importantes por deputados e senadores por atendê-los com recursos para obras em seus estados, sobretudo projetos de habitação. Sob o comando de Baldy, a pasta fortaleceu o programa ‘Minha Casa Minha Vida’, um dos principais programas dos governos Lula e Dilma Rousseff.

Mais apoio
De acordo com apuração da jornalista Andréia Sadi, Alexandre Baldy também é próximo da ala militar do governo de Jair Bolsonaro. O ex-deputado também tem boa relação com o próprio Jair Bolsonaro, com quem trabalhou no Congresso quando comandou a Comissão de Segurança Pública.

Se for confirmado no Ministério das Cidades, Alexandre Baldy pode ajudar na interlocução entre o Legislativo e o Executivo e fortalecer a aprovação da reforma da Previdência, hoje travada no Congresso por falta de poder de articulação da base governista.


Alexandre Baldy Jair Bolsonaro