Poder Goiás
Goiânia, 30/03/20
Matérias
Divulgação

Imagem aérea do IFG, em Goiânia, uma das instituições federais que teve recursos suspensos pelo MEC: pasta diz que não vai recuar

Cortes na UFG, IFG e IF Goiano: em encontro com reitores, ministro da Educação descarta recuo

11/05/2019 · Por Eduardo Horacio

Com objetivo de abrir o diálogo entre o Ministério da Educação (MEC), que determinou cortes no orçamento a instituições federais de ensino que variou de 12,79% a 52,47%, representantes do Conselho que determinou cortes no orçamento a instituições federais de ensino que variou de 12,79% a 52,47%, representantes do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) se reuniu com o ministro Abraham Weintraub. O encontro ocorreu em Brasília para discutir o assunto e tentar reverter o bloqueio de verbas. Em Goiás, a Universidade Federal de Goiás (UFG), o Instituto Federal de Goiás (IFG) e o Instituto Federal Goiano (IF Goiano) serão afetados pela medida. 

Weintraub, que inicialmente havia alegado que as universidades alvo do corte promoveriam “balbúrdia” em seus campus, alegou aos membros do Conif que a medida foi tomada “diante da queda na arrecadação”. Ele sinalizou que o MEC está aberto ao diálogo nos “casos emergenciais” para que as instituições mantenham o pleno funcionamento das atividades. 

Ele também vai formalizar ao MEC, por sugestão do Conif, a situação de cada uma das instituições na iminência de terem suas atividades prejudicadas ou que não estejam honrando os pagamentos de fornecedores.

“A reunião teve pontos positivos na perspectiva de abertura de um diálogo e o reconhecimento pelo ministro da importância da Rede Federal. Mas não tivemos avanços em relação à questão orçamentária”, declarou o presidente do Conif, em declaração registrada no site da entidade.

O Conif é formado por representantes de 38 institutos federais, dois centros federais de educação tecnológica e Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro.


IFG UFG IFGoiano MEC Conif Abraham Weintraub Jair Bolsonaro