Poder Goiás
Goiânia, 07/04/20
Matérias
Foto: Divulgação/Agência Brasil

A pior derrota do governo Bolsonaro até aqui pode ser o estopim da queda de Vitor Hugo (na foto, conversando com Joice) da liderança do governo

Major Vitor Hugo está perto de cair, de novo, da liderança do governo

10/05/2019 · Por Eduardo Horacio

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), é de novo a bola da vez. Já se cogitou no governo de Jair Bolsonaro (PSL) substituir o deputado na liderança do governo em março e agora a onda a favor da queda do nome dele é ainda maior. Tudo por conta da derrota na votação da medida provisória 870, da reforma administrativa promovida após a posse de Jair Bolsonaro no Planalto.

A MP foi aprovada na manhã de quinta-feira, 9, na comissão especial, com alterações violentas em relação à proposta inicial do governo – o que desagradou sobretudo o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Sérgio Moro (Justiça). Vitor Hugo foi chamado ao Planalto imediatamente para dar explicações da derrota. 

Antes do fim da votação, Joyce Hasselmann (PSL-SP) foi vista e ouvida ao telefone conversando com o ministro Onyx Lorenzoni e fritando Major Vitor Hugo: “O que posso fazer, pegar o Vitor Hugo pelo braço? Não dá.”

Com a articulação capenga do governo Bolsonaro, o fato é que o Centrão (PP, MDB, DEM, PR, SD e PRB, entre outros) deitou e rolou. Os deputados resolveram mandar o disputado Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) de volta para a pasta da Economia, de Paulo Guedes, tirando-o da Justiça, o que contrariou promessa de campanha do próprio presidente e que irritou bastante o ex-juiz Sergio Moro. 

Além de Major Vitor Hugo, que agora pode cair do cargo de líder, o deputado Delegado Waldir, líder do PSL, nem compareceu ao plenário. Para piorar, a MP corre o risco de não ser votada na Câmara e no Senado antes de sua extinção, no dia 3 de junho.


Major Vitor Hugo Joyce Hasselmann Delegado Waldir Jair Bolsonaro Onix Lorenzoni PSL