Poder Goiás
Goiânia, 30/03/20
Matérias
Foto: Divulgação/Planalto

Caiado e Bolsonaro: a lua de mel entre os dois parece estar próxima do fim

Caiado levará proposta de calote a Bolsonaro hoje para tentar pressioná-lo

08/05/2019 · Por Eduardo Horacio

O governador Ronaldo Caiado (DEM) realizou na terça-feira, 7 de maio, no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, uma reunião com vários chefes de poderes e entidades em Goiás para pedir apoio formal ao calote que pretende dar da dívida de Goiás com o governo federal. 

A questão política é: o calote de Goiás não é combinado com a União, nem com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), nem o ministro Paulo Guedes. O que o Caiado vai tentar é levar a proposta hoje a Bolsonaro (Caiado tem agenda hoje 8h00 da manhã em Brasília com o próprio Bolsonaro para discutir o “novo pacto federativo”) para tentar pressionar a União a arrumar uma solução para os Estados com enorme déficit, caso de Goiás. 

Se não conseguir, Caiado já tem o plano B: tentar conseguir uma liminar no STF (como Goiás inclusive conseguiu no governo Marconi, quando a secretária era Ana Carla Abrão) permitindo legalmente a suspensão do pagamento, o que já ocorre para beneficiar Minas Gerais, por exemplo. 

Pode não ser uma declaração de guerra ao governo Bolsonaro, mas a mudança de postura de Caiado mostra que o governador perdeu de vez a paciência com o governo federal. A famosa “ajuda para o Caiado”, tão prometida por Paulo Guedes, nunca sequer chegou ao papel. 

O calote seria referente ao repasse mensal de R$ 256 milhões relativo ao serviço da dívida de Goiás com o Governo Federal. Caiado alegou, em reunião com outros chefes de poderes, que seu governo segue em crise financeira e que não conta com recursos suficientes para o pagamento da folha de servidores referente ao mês de maio, a ser quitada até o dia 10 de junho.


Ronaldo Caiado Jair Bolsonaro Calote