Poder Goiás
Goiânia, 05/03/21
Matérias
Foto: Divulgação

Caiado ainda não entendeu que abandonar antigos aliados é pior para o governador do que para os aliados

Que rei sou eu? Caiado ainda despreza aliados de primeira hora

22/04/2019 · Por Eduardo Horacio

Há algo espantoso no comportamento político de Ronaldo Caiado (DEM), desde que virou governador em janeiro deste ano: o desprezo pelos aliados de primeira hora. Foi um grupo de políticos que deu capilaridade e coragem para que Caiado, até então isolado no DEM, tentasse a candidatura a governador em 2018, mesmo sem aliança com o MDB, algo buscado até a última hora. Entre eles estavam os deputados federais Delegado Waldir (PSL), os então deputados estaduais Major Araújo (PRP), Iso Moreira (DEM), Claudio Meirelles (PTC), José Nelto (Podemos) e os prefeitos Adib Elias, Paulo do Valle, Renato de Castro e Ernesto Roller, todos de cidades importantes e fundamentais numa eleição estadual. Deles, apenas Roller foi acolhido no governo. Para os demais, desprezo: palavra que vários deles escolhem como sendo a mais precisa para definir o comportamento do governador. 

O modus-operandi de Caiado é parecido com o de outro então recém-eleito governador: Marconi Perillo (PSDB), em 1999. Na eleição de 1998, os que apostaram desde o início na possível vitória do tucano eram 33 prefeitos e alguns deputados estaduais. Em 1999, praticamente todos eles reclamavam abandono, diziam que Marconi não era o mesmo. Uma frase famosa sobre Marconi até chegou a ser cunhada na época ("Marconi gosta de governar com a oposição") tamanha era predileção dele por atrair opositores para dentro de seu governo, em vez de dar bola para os parceiros fiéis desde o início. 

Governo sem base
Caiado ainda não entendeu que abandonar antigos aliados é pior para o governador do que para os aliados. Não há hoje nenhum político (fora do primeiro escalão) que defenda o governo Caiado. Na Assembleia ou na Câmara dos Deputados, silêncio total. E os que arriscam a fazer a defesa passam mais tempo falando mal do governo passado do que falando bem do atual governo. Hoje o governo Caiado está abandonado no interior, sem ninguém para defendê-lo nas bases. E governo sem base política é governo fadado ao fracasso. 

Marconi, em seu primeiro mandato, aprendeu, na marra, a corrigir parcialmente esse erro quando foi mal sucedido nas principais cidades goianas nas eleições para prefeito de 2000. Caiado, pelo jeito, ainda não vislumbra a eleição do ano que vem ou, tal como Marconi, pode estar achando que seu carisma político será suficiente na hora H para fazer candidatos inexpressivos vencerem eleições municipais. 

Há outra frase da política goiana que, muito folclórica, é ouvida há mais de 20 anos e parece ser verdade: "Caiado não tem nenhum amigo velho, todo amigo dele é de cinco anos pra cá". A julgar pelo desprezo com que ele trata aliados que, desde 2014, o ajudaram na eleição ao Senado e, principalmente, os que apostaram na eleição para governador em 2018, a frase parece mais verdadeira do que nunca. 


Ronaldo Caiado Marconi Perillo Adib Elias Paulo do Valle Renato de Castro Ernesto Roller José Nelto Iso Moreira Claudio Meirelles Major Araújo Delegado Waldir
P U B L I C I D A D E