P U B L I C I D A D E
Poder Goiás
Goiânia, 05/12/20
Matérias
Reprodução

"Essa é uma reflexão vai muito além do que vai fazer, do que cada um vai fazer, porque isso não é sobre o que se vai fazer, isso é sobre o que se é"

Covardia de Vanderlan é recorrente e usa da necropolítica, diz Morgantini

17/11/2020 · Por Eduardo Horacio

O jornalista Henrique Morgantini criticou no programa DQD da Rádio Interativa nesta terça-feira, 17, o que considera ser parte da “retórica da necropolítica” as declarações do candidato a prefeito de Goiânia Vanderlan Cardoso (PSD) de que o estado de saúde de Maguito Vilela (MDB) seria uma “farsa”. 

“O caminho da covardia também é o do desespero. O desespero por qual passa Vanderlan, que vê sua candidatura mais uma vez naufragar não é inédita, assim como as manifestações de uma atitude enquanto homem público de extrema covardia. É uma covardia recorrente. Primeiro que atacar um sujeito que está lutando pela vida como de fato Maguito Vilela está, não é dúvida para ninguém, não é escondido de ninguém, já explica por si só o que é o conceito de covardia”, comentou na emissora. 

Morgantini lembra que Vanderlan só aceitou ser candidato após a desistência do atual prefeito Iris Rezende. “Até então ele estava com medo, medo de enfrentar Iris Rezende e perder novamente nas urnas”. O jornalista também critica a mudança de oposição ao prefeito para a de um “aliado branco, um aliado tímido” mesmo quatro anos antes, segundo ele, “ser um adversário ferrenho, atacando, levando ataques, fazendo campanha contra Iris”. 

“Mas a postura de Vanderlan em relação a Maguito nesse momento, ele não tá dizendo que ele tá doente de mentirinha não, isso seria muito ruim. Ele é portador da clássica retórica necropolítica. O que ele está argumentando na verdade é que Maguito está quase morrendo enquanto os boletins, da família, dos médicos, estão dizendo que ele vem melhorando. O que ele quer dizer na verdade é que a campanha está escondendo um quase morto. Essa foi a crônica ao dizer que o boletim era uma farsa”, critica. 

“Ele está apostando na morte de um adversário como um sendo a possível, talvez a única, para que ele obtenha êxito. Quem faz esse tipo de colocação se coloca na posição de fazer qualquer negócio para vencer. Faz qualquer coisa para fazer um bom negócio, faz qualquer compromisso, promessa ou fala qualquer coisa para obter êxito naquela missão que ele pôs na cabeça”, continua. 

“Só que a missão que ele se propõe, a qual ele se candidata é de cuidar das pessoas. Como alguém que se propõe a cuidar das pessoas pode chegar a esse ponto e ainda convencer alguém que é capaz de cuidar de anônimos, de milhares de pessoas que dependem da prefeitura. É interessante o quanto ele duvida dos boletins médicos da fala do filho, Daniel Vilela, mas por outro lado ele não duvida da fala do senador Chico Rodrigues que foi pego com 30 mil na bunda na bunda. Esse ele foi defender lá no grupo do Senado.” 

“Esse ele disse que não tinha nada para se falar mal, esse ele garantiu que era um homem probo, que ele conhecia há mais de 30 anos, mas o genro do Maguito, o filho do Maguito, a campanha do Maguito que seja, essa mente, porque segundo ele o Maguito está morrendo. Isso está sendo escondido, porque ele detém uma suposta uma verdadeira verdade. Essa é uma reflexão vai muito além do que vai fazer, do que cada um vai fazer, porque isso não é sobre o que se vai fazer, isso é sobre o que se é”, conclui. 

Assista abaixo à fala do jornalista Henrique Morgantini:


Henrique Morgantini Interativa Vanderlan Cardoso Maguito Vilela Eleições 2020