Poder Goiás
Goiânia, 04/03/21
Matérias
Divulgação

Emedebista lembrou todo processo desde a ruptura do atual prefeito e sua família até o pleito atual. Machado disse que até 2008 Renato e Manoel de Castro (Fião) “sempre foram adversários do MDB

Giovani Machado diz que Renato de Castro deixou MDB a ‘deus-dará’ após ser eleito

21/09/2020 · Por Pedro Lopes

O presidente do MDB de Goianésia, Giovani Machado, rebateu, em entrevista à Rádio Vera Cruz no último dia 18, as críticas do prefeito Renato de Castro (MDB) contra o processo que preteriu o atual prefeito em detrimento de seu filho, Pedro Goncalves. Segundo o líder da legenda, o prefeito deixou o grupo a “deus-dará”. 

O emedebista lembrou todo processo desde a ruptura do atual prefeito e sua família até o pleito atual. Machado disse que até 2008 Renato e Manoel de Castro (Fião) “sempre foram adversários do MDB”, mas por problemas políticos da família com o DEM, PFL da época, “eles deixaram a agremiação e pelo PTB caminharam na vice do Gilberto em 2008. O MDB abraçou a candidatura de Renato vice e do Gilberto como prefeito”, disse ao comentar a trajetória da campanha vitoriosa do partido à época.

“Em 2012, o prefeito Gilberto Naves não queria mais ser candidato a prefeito, lançou o nome do Renato. Eu como presidente do partido articulei, trabalhei duro para que o Renato fosse o nosso candidato a prefeito em 2012, mas por outros motivos não foi possível e o Gilberto buscou a reeleição”, disse. 

“Em 2014 o Renato me procurou, esteve na minha fazenda, dizendo que gostaria de ser o candidato a deputado estadual e gostaria do apoio do MDB e nós prontamente demos total apoio ao Renato para que ele fosse o nosso deputado estadual”, completou. 

Giovane disse que o MDB totalmente unido na cidade “deu ao Renato a maior votação que um deputado estadual teve em nossa cidade. Ele teve mais de 12 mil votos.” Já em 2016, segundo o presidente, Renato se dispôs a ser o candidato a prefeito do MDB. “Aí sim que ele veio filiar no MDB em 2016. Teve as bençãos do MDB de Goianésia. Eu, como presidente, fiz de tudo para o Renato ser candidato. Tinha uma conversa, assim como hoje, de uma aliança que não se consolidou. Nós trouxemos o presidente do MDB de Goiás, Daniel Vilela, em Goianésia e ele fez o lançamento da candidatura do Renato. Quem foi o padrinho da candidatura do Renato foi o Daniel Vilela. Ele esteve em Goianésia no lançamento, no dia da convenção”, declarou. 

“O Daniel esteve abençoando a parceria com o Carlos Veículos. Na campanha política, o Daniel teve por três oportunidade em Goianésia apoiando o Renato de Castro. Aliás, antes de falar sobre isso, eu gostaria de falar o que o Caiado fez para poder ajudar o Renato a ser prefeito, nós estivemos lá no Senado, eu e o Fiao, conversando com o senador na época para que ele desse o DEM para consolidar a candidatura. Aí ele não quis dar o DEM na época, aí tivemos muita dificuldade para fazer essa união, mas que depois consolidou com o Carlos na vice”, emenda. 

Para Giovani, “Caiado não fez praticamente nada para o Renato ser prefeito”, diferente do MDB. Como presidente do partido, Giovani disse foi em todas as caminhadas do Renato.  “Eram cinco, seis por semana, exceção de duas, uma no Morro Branco e outra no setor (Euripedes) Barsanulfo porque passei mal”.

Giovane lembra que discursou em todos os comícios do Renato. “O MDB de Goianésia fez tudo para que o Renato fosse o nosso prefeito. Depois das eleições, chegou em 2018 para o governo do Estado. O Caiado, que não fez praticamente nada para ajudar o Renato, ele sem ouvir o MDB de Goianésia, resolveu apoiar para governador o Ronaldo Caiado, que na sua campanha em 2016 não fez nada para que ele fosse prefeito, em detrimento ao Daniel Vilela”.

“E não parou por aí, o MDB tinha um candidato a deputado federal, do MDB de Goianésia, o Dr. Marcos Vinicius, ele trouxe um candidato a deputado federal de outro lugar, o Jovair Arantes, e apoiou esse candidato. O MDB de Goianésia ficou sem candidato do nosso partido a deputado estadual, mas teve um candidato de um partido aliado o PDT na época, que é aliado ao MDB até hoje em Goianésia, e nós apoiamos o Marcos Permanuco e ele trouxe outro candidato de outra cidade e não quis apoiar o aliado em Goianésia. Ou seja, o Renato, depois de eleito prefeito do MDB, esqueceu que era do MDB”, disparou. 

Giovane disse que quem assumiu a candidatura do Daniel Vilela, do Dr. Marcos Vinicius para deputado federal e do Marcos Pernambuco para deputado estadual foi o diretório do MDB: “na minha pessoa, que fui pra rua, fui andar na rua. Graças a Deus o Daniel foi bem votado em Goianésia, não vencemos, é verdade, mas foi muito bem votado em Goianésia”. 

Machado também lembrou que o então candidato a deputado federal Marcos Vinicius teve mais de 10.300 votos, enquanto Jovair, apoiado por Renato teve apenas 1.400. “Nosso candidato teve uma grande votação, teve quase o dobro do candidato que o Renato trouxe para Goianésia”, disse. 

Giovani também disse que Fião já estava filiado ao DEM e que várias lideranças estavam migrando para partido do governador e que o processo de desconstrução da sigla na cidade tendia a acelerar caso Renato fosse reeleito prefeito.


Goianésia Giovani Machado Renato de Castro MDB Pedro Gonçalves Eleições 2020”
P U B L I C I D A D E