Poder Goiás


Goiânia, 13/04/21
Matérias
Divulgação

Ahpaceg diz que, atualmente, “os hospitais privados estão funcionando com uma ociosidade que chega a 80% em algumas unidades"

Ipasgo estranha Ahpaceg lamentar leitos vazios na rede de hospitais particulares

14/05/2020 · Por Pedro Lopes

O Ipasgo rebateu, em nota, o posicionamento da Associação dos Hospitais Privados de Alta Complexidade do Estado de Goiás (Ahpaceg) divulgado nesta semana sobre os leitos vazios em unidades da rede privada em Goiás.

O presidente do Ipasgo, Silvio Fernandes, diz que o posicionamento causou “profunda estranheza”, uma vez que a entidade “lamentou” os leitos vazios em hospitais particulares e que não cabe ao governador interferir em assuntos internos de hospitais privados. 

A nota da Ahpaceg diz que, atualmente, “os hospitais privados estão funcionando com uma ociosidade que chega a 80% em algumas unidades. Ou seja, a maior parte dos leitos está vazia devido à redução de atendimentos eletivos e à baixa procura por parte de pacientes com casos suspeitos ou confirmados de covid-19” e que espera que um canal de diálogo seja aberto “para que possam conhecer a realidade do setor hospitalar privado e ouvir sugestões de conduta para solucionar essa crise.”

Nota da Associação dos Hospitais privados de alta complexidade do Estado de Goiás ( AHPACEG) 

Buscando esclarecer a população sobre inverdades que vêm sendo veiculadas durante essa pandemia e que só contribuem para gerar pânico entre as pessoas, comprometendo a assistência a quem necessita de cuidados médico-hospitalares, a Associação dos Hospitais Privados de Alta Complexidade do Estado de Goiás (Ahpaceg) esclarece que:

Leitos vazios – Atualmente, os hospitais privados estão funcionando com uma ociosidade que chega a 80% em algumas unidades. Ou seja, a maior parte dos leitos está vazia devido à redução de atendimentos eletivos e à baixa procura por parte de pacientes com casos suspeitos ou confirmados de Covid-19. Portanto, neste momento, não há risco de colapso da rede.

Pronto-socorro – O atendimento nos prontos-socorros dos hospitais associados caiu, em média, 50% desde o início da pandemia. Essa queda esconde um grave problema: por receio da pandemia, pessoas que necessitam de atendimentos de urgência estão deixando de procurar os hospitais. O mesmo tem acontecido com pacientes crônicos que dependem de atendimento contínuo. Essa interrupção ou busca tardia por tratamento pode ser fatal.

UTIs – Os hospitais associados contam com cerca de 500 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), dos quais aproximadamente 100 foram disponibilizados exclusivamente para atendimentos de Covid-19. Atualmente, a média de ocupação destes leitos tem ficado em torno de 20%. Ou seja, os leitos de UTI também estão ociosos.

Contaminação em hospitais – Todos os cuidados com a higienização e proteção de pacientes e profissionais de saúde vêm sendo adotados com rigor pelos hospitais associados.

Profissionais de saúde – Os hospitais reforçaram as orientações e cuidados com a proteção dos trabalhadores. O índice de contaminação por Covid-19 entre os cerca de 7,5 mil profissionais de saúde e administrativos e dos quase 4 mil médicos dos hospitais associados é inferior a 0,4%.

Atestados de óbito – A emissão de atestados de óbito segue rigorosamente as determinações contidas nas “Orientações para codificação das causas de morte no contexto da Covid-19” elaboradas pelo Ministério da Saúde.

Após três semanas aguardando uma reunião com o governador e sem resposta, a Ahpaceg espera que outros poderes constituídos - Legislativo e Judiciário – abram um canal de diálogo com a Associação para que possam conhecer a realidade do setor hospitalar privado e ouvir sugestões de conduta para solucionar essa crise.

Nota do IPASGO na íntegra 

Causa profunda estranheza o posicionamento da Associação dos Hospitais Privados de Alta Complexidade do Estado de Goiás (Ahpaceg), presidida por Haikal Helou. Por meio de nota nesta quarta-feira (13/5), a entidade “lamentou” os leitos vazios em hospitais particulares. E ainda reclamou que o governador Ronaldo Caiado, responsável pela saúde pública, não se reuniu com a entidade para resolver um problema de gestão privada dentro da Ahpaceg. Não cabe ao governador interferir em assuntos internos de hospitais privados.

É importante ressaltar que o governador Ronaldo Caiado vem se dedicando a estruturar a rede pública por todo o Estado, já que nos últimos 20 anos todo o sistema hospitalar se concentrou na Região Metropolitana de Goiânia. 

É competência do governador garantir o acesso dos goianos, de todas as regiões, ao sistema público de saúde. O atual Governo de Goiás não é adepto da “ambulancioterapia”, marca de governos passados. Esta gestão trabalha para acabar com o sofrimento de quem precisa de um hospital e tem que enfrentar horas de viagem para conseguir um leito na Capital.

Em busca da interiorização e humanização do atendimento, quatro hospitais foram estadualizados nas cidades de Formosa, Jataí, Luziânia e São Luís de Montes Belos. A justiça ainda repassou ao Estado um hospital em Itumbiara. E um convênio com o Hospital de Porangatu foi firmado. Além desses, Anápolis, Goiânia e Águas Lindas vão contar com hospitais de campanha. Tudo será público e gratuito, para qualquer goiano que precisar de atendimento durante a pandemia de coronavírus. Serão leitos acrescidos a rede pública. Mais de R$ 351 milhões já foram autorizados para o custeio desses hospitais.

O governador Ronaldo Caiado é aberto ao diálogo, inclusive com a Ahpaceg. É claro que uma parceria pode ser feita diante de uma pandemia de coronavírus como essa. Mas não é por meio de recados tortos. A conversa entre o público e o privado deve ser pautada, acima de tudo, pela transparência. Não é admissível qualquer tipo de lucro nem que privilégios que interessem a poucos em detrimento de quem mais precisa do Estado. Salvar vidas é o foco do governador. Esse é o ganho maior que ele considera. 

Silvio Fernandes, presidente do Ipasgo


Ipasgo UTI Ahpaceg Governo de Goiás Ronaldo Caiado