Poder Goiás


Goiânia, 13/04/21
Matérias
Foto: Reprodução/YouTube

Marconi diz que a situação de governadores e prefeitos será bem pior do que a da União “porque a União pode imprimir dinheiro”

De bom humor, Marconi Perillo reaparece em live para falar de coronavírus

19/04/2020 · Por Eduardo Horacio

Em evento promovido pela Trevisan, dentro do projeto Webinar, o ex-governador Marconi Perillo (PSDB) fez sua primeira fala longa em público desde o fim das eleições de 2018, quando perdeu a disputa para o Senado. O vídeo dele na live pode ser visto na íntegra aqui. Durante todos os 38 minutos de vídeo, em momento algum citou o governador Ronaldo Caiado (DEM), embora falasse de Goiás em diversos momentos. “Eu deixei o governo de Goiás exatamente há dois anos (em abril de 2018, quando José Eliton assumiu), e essa é minha primeira aparição púbica, apareci com carinho e foi uma honra participar desse espaço”, afirmou.

Marconi disse, nesta live de 8 de abril (haverá outra, desta vez local, com Jânio Darrot e José Eliton, também tucanos, nesta segunda-feira, 20 de abril), que tem “conversado com sanitaristas e governadores” para discutir a Covid-19 em si e também o impacto econômico. “Falei com o secretário da fazenda do Rio e ele me disse que o Estado levou um tombo nas receitas, segundo ele me informou a expectativa é de o Estado arrecadar R$ 15,7 bilhões a menos, sendo R$ 11 bilhões a menos com ICMS”, afirmou. Marconi disse ter conversado também com o “dr. Henrique Meirelles”, secretário da Fazenda de São Paulo, e “o tombo também será grande”.

Marconi também diz que a situação de governadores e prefeitos será bem pior do que a da União “porque a União pode imprimir dinheiro”. Segundo o tucano, “esse momento exige maturidade e responsabilidade global. O que está em jogo são vidas, ninguém sai de casa porque está com medo, não é só porque o governador mandou, não”, afirmou. “Em que momento os governos vão começar a autorizar as pessoas a saírem do isolamento?”, indagou.

O ex-governador goiano também disse que “tem um problema heterogêneo, uma coisa são as cidades grandes e outro são as menores, e se afrouxar e as pessoas começarem a morrer?”, completou, dialogando com o presidente do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresa (IRRE), Walfrido Warde.

“O que está sendo dito é menor do que está prestes a acontecer no Brasil até agora”, afirmou. Ele diz que o pico deve ocorrer no início de maio e reclama que muitos testes ainda não foram feitos na população. “A Coreia do Sul é um exemplo do que deve ser feito, fez testes em massa e disponibilizou máscaras para todo mundo, além de adquirir grande soma de respiradores”, avaliou o tucano.

Bolsonaro
Ele se diz preocupado com o fato de não haver um comitê de crise no Brasil para discutir permanentemente o assunto. “Lá em janeiro mesmo deveria ter sido criado o comitê de crise, eu mesmo como governador sempre fiz isso antecipadamente sempre que vislumbrava algum perigo iminente”, afirmou. “Mas esse comitê de crise tem de ter uma liderança, no caso, um governador, um presidente”, completou. Marconi ainda repetiu um bordão batido: “nas crises surgem as grandes oportunidades”. “Precisamos melhorar a legislação, tanto na questão social quanto na questão fiscal”. Ele elogiou bastante os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, David Alcolumbre (DEM). “As duas Casas têm cumprido bem o seu papel”, destacou, dizendo que as duas Casas são “o oxigênio da sociedade” e ambas têm tomado “boas iniciativas”.

Marconi também reclamou do pacto federativo. “A União concentra 72% das receitas nacionais e não reparte com os Estados, eu convivi com presidentes diferentes e com seis ministros da Fazenda diferentes e, na minha opinião, quando uma liderança nacional aglutina realmente, isso faz diferença, falta essa verticalidade hoje no Brasil, se eu fosse presidente eu teria chamado lá em janeiro todos os segmentos da sociedade para discutir um plano único de contingência, um planejamento que pudesse organizar a cabeça das pessoas para a crise, e não pode ser alguém autoritário, tem que ser alguém que se impõe pela respeitabilidade”, assinalou.

A favor da China
Segundo Marconi, “o Brasil deveria intensificar o comércio com a China e não brigar com ela (em referência às brigas do filho de Bolsonaro com o país asiático), isso é óbvio”. “Temos que trabalhar para exportar para a China, mas também para atrair turistas chineses, é uma relação que precisa ser azeitada e é preciso evitar qualquer melindre”, completou. “Em Goiás, a China foi responsável por 56% das exportações de Goiás em 2019 e são eles que têm máscaras, respiradores e tudo mais, em todos os aspectos, na minha opinião, temos que estender o tapete vermelho para a China e também para a Índia, entre outros países”, destacou.

Ele também disse que “talvez a reação (da China) contra o Brasil pode vir daqui a seis meses ou ou um ano, essas relações externas têm regras próprias”. Por fim, Marconi disse que a crise da Covid-19 é até pior do que uma guerra, sob determinada ótica. 

Veja a live de 38 minutos clicando aqui


Marconi Perillo Webinar Trevisan Walfrido Warde Ronaldo Caiado Goiás Covid-19 coronavírus