Poder Goiás
Goiânia, 26/02/20
Matérias
Reprodução

Com vocação na produção agrícola, e localização privilegiada, o Ceasa é importante condutor na distribuição da produção goiana e na valorização da produção de pequenos e médios produtores

Apesar de regras duras, empresa fica 14 meses sem pagar Ceasa e deve R$ 800 mil em aluguéis

24/01/2020 · Por Pedro Lopes

Com 10 mil empregos gerados diretamente, 50 mil indiretos, 1 milhão de toneladas comercializadas e R$ 2 bilhões comercializados, a Centrais de Abastecimento de Goiás (Ceasa-GO) convive com um grande adversário: a inadimplência. Segundo denúncia que o Poder Goiás teve acesso, a empresa "Batatão" deve R$ 800 mil em aluguéis de 14 meses com a empresa.

Apesar do regulamento no Título XI do Sistema de Arrecadação no capítulo I parágrafo único ’será considerado devedor contumaz o usuário que tiver registrado o atraso de pagamento por mais de 30 (trinta) dias, em dois períodos no mesmo exercício financeiro ou deixar de cumprir acordo de quitação de débitos firmado com a CEASA/GO’. Nós entramos em contato com a assessoria da Ceasa no último dia 20 de janeiro e ainda aguardamos resposta sobre a situação da empresa. 

A empresa realizou um parcelamento em março de 2019 após os 14 meses em atraso, e um dos questionamentos é o que levou a empresa pública a demorar tanto para tomar uma decisão. Também recebemos denúncias sobre problemas da empresa envolvendo cheques e outras ações na justiça. Em resposta à reportagem, o Ceasa informa que a empesa em questão tem quatro meses em atraso e não quatorze conforme noticiado. 

Com vocação na produção agrícola, e localização privilegiada, o Ceasa é importante condutor na distribuição da produção goiana e na valorização da produção de pequenos e médios produtores, que contribuem para uma participação de 53% no mercado de hortifrútis no Brasil. Funciona como um condomínio, quem paga em dia precisa compensar a inadimplência. Falta de pagamento onera condomínio e pode inviabilizar crescimento do centro de distribuição. 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em resposta as informações publicadas no site Poder Goiás, a Centrais de Abastecimento de Goiás, empresa de economia mista criada em 1970 constituída nos termos da lei nº 5.577, de 20/10/75 e regulamentada pelo Decreto nº 70.502, integrante do Sistema Nacional de Centrais Abastecimento – SINAC, esclarece que:

A empresa BATATÃO COMÉRCIO DE BATATAS LTDA foi notificada extrajudicialmente no dia 08/01/2020, após esgotadas as tentativas de negociação, retomando as medidas administrativas de cobrança conforme o Regulamento de Mercado.

A empresa Batatão possui pagamentos pendentes referentes aos meses de abril, maio, junho e julho de 2019, somando, portanto, 4 meses em aberto e não quatorze como foi noticiado.

A atual administração, através da Comissão de Cobrança, tem seguido com rigor o Regulamento de Mercado junto às empresas que possuem débitos em aberto com a Ceasa-GO.

Como resultado, encerrou o ano de 2019 com saldo positivo, o que não aconteceu em 2018, quando as Centrais estavam sob o comando do governo anterior e terminou o ano com saldo negativo.

A notificação extrajudicial está registrada no SEI - Sistema Eletrônico de Informações, do Governo do Estado: Processo 201900057001643.

Centrais de Abastecimento de Goiás S/A.


Ceasa