Poder Goiás
Goiânia, 30/03/20
Matérias
Divulgação

Nelto diz que o Podemos continuará apoiando todas as pautas ‘moralizadoras’ e econômicas que venham a ajudar o país e, sobretudo, os mais pobres

Deputado goiano líder do Podemos quer fim da taxa do cheque especial

16/01/2020 · Por Pedro Lopes

Ao Correio, o líder do partido na Câmara dos Deputados, o goiano José Nelto, diz que a sigla continuará apoiando todas as pautas ‘moralizadoras’ e econômicas que venham a ajudar o país e, sobretudo, os mais pobres. Mas avisa que atuará para convocar o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para dar explicações ao Parlamento sobre nova regra do cheque especial. 

Na linguagem legislativa, a convocação de um ministro ou presidente de autarquia é vista como uma medida de enquadramento do governo. Sob a justificativa de exigir explicações, muitas vezes as sessões se transformam em embates políticos. É diferente de quando o Congresso formaliza um convite. Nelto, porém, frisa que o objetivo não é colocar o governo sob saia justa, mas, sim, questionar a nova tarifa bancária permitida pelo Banco Central.

Coragem

A articulação vai ser montada pelo Podemos na Câmara e no Senado — onde a legenda tem a segunda maior bancada — com outros partidos. “Se o governo quer baixar os juros no Brasil de verdade, nós temos que fazer pela medida correta, que é a abertura do sistema financeiro. Temos 35 anos de redemocratização e nenhum ministro da Economia teve a coragem de fazer isso”, ponderou Nelto.

“O presidente foi infeliz ao atacar um partido que apoiou 90% de seus projetos sem participar do ‘toma lá da cá’. Cobrar 0,25% sobre o cliente que já usa o cheque especial é uma bitributação. Isso aí não é uma rachadinha, é uma ajudinha para os banqueiros”, provocou, em referência às suspeitas sob o senador Flávio Bolsonaro (Sem partido-RJ).


José Nelto Podemos Paulo Guedes Jair Bolsonaro Cheque Especial