Poder Goiás
Goiânia, 30/03/20
Matérias
Reprodução/YouTube

A UFG está hoje deixando de pagar prestadores por serviços essenciais para o funcionamento da instituição. As despesas com energia (R$ 4,9 milhões) e limpeza (R$ 4,4 milhões) não são quitadas desde o mês de junho de 2019

UFG lança campanha na internet em defesa da universidade pública

28/09/2019 · Por Eduardo Horacio

Dando continuidade às ações em defesa da universidade pública e gratuita, a Universidade Federal de Goiás (UFG) lançou a campanha "Minha vida sem a UFG, nem pensar", composta por vídeos no YouTube que retratam a importância da Universidade na vida de toda a população. O objetivo é mostrar que os recursos públicos federais são essenciais para o trabalho que a UFG desenvolve pelo estado de Goiás e para o Brasil.

O material, produzido pela TV UFG, aborda temas como a qualidade do ensino, as pesquisas e o desenvolvimento tecnológico, a interação entre a Universidade e empresas, as ações de extensão, os atendimentos na área da saúde e a formação de professores. Os vídeos estão disponíveis no canal da UFG no YouTube.

Os vídeos trazem o depoimento de pessoas que tiveram suas vidas transformadas pela UFG. São estudantes, professores, pacientes atendidos em unidades de saúde mantidas pela Universidade, empresários e personalidades da área artística e cultural, como o ator Odilon Wagner e a dupla João Neto e Frederico – veterinário e engenheiro agrônomo formados na UFG. Com isso, a campanha incentiva a sociedade a se juntar na luta em defesa de um patrimônio que é de todos.

Dívidas
Devido ao contingenciamento de parte do orçamento pelo Ministério da Educação (MEC), a Universidade Federal de Goiás (UFG) acumula dívidas em 2019 de R$ 21,3 milhões com fornecedores e tem o seu funcionamento ameaçado. De acordo com o reitor da UFG, Edward Madureira, a Universidade aguarda o desbloqueio de recursos para quitar as dívidas e evitar uma paralisação.

Segundo Madureira, a UFG está deixando de pagar prestadores por serviços essenciais para o funcionamento da instituição. As despesas com energia (R$ 4,9 milhões) e limpeza (R$ 4,4 milhões) não são quitadas desde o mês de junho, portanto, há quatro meses.

A UFG tinha orçamento aprovado para 2019 de R$ 62,6 milhões. Destes, R$ 26,8 milhões foram contingenciados pelo MEC. No entanto, a expectativa interna é que os recursos sejam destravados para evitar uma iminente paralisação da Universidade.

O governo federal desbloqueou R$ 8 bilhões do orçamento na última semana, destes R$ 1,9 bilhão é para o Ministério da Educação. No entanto, ainda não há informação de que as universidades federais, com orçamento contingenciado, serão contempladas.    

UFG em números
A UFG possui neste instante mais de 30 mil estudantes matriculados em 156 cursos de graduação, além de 700 alunos na educação básica e 10 mil na pós-graduação. Oferece ainda 75 cursos de mestrado e 44 de doutorado. Na área da saúde, o Hospital das Clínicas da UFG realiza mais de 120 mil consultas e 19 mil internações por ano, todas pelo SUS. A Faculdade de Odontologia atende em média 500 pacientes por mês e o Laboratório Rômulo Rocha faz cerca de mil atendimentos mensais. Já as ações de extensão abrangem 200 municípios e beneficiam 500 mil pessoas.

A UFG também desenvolve pesquisas em colaboração com mais de 100 países, além de parcerias com empresas para a geração de novas tecnologias. Por ser pública e gratuita, ela socializa esse conhecimento e transforma a sociedade. O Centro de Incubação da UFG já graduou 25 empresas que somam receita bruta de R$ 24 milhões. Na área artística, a Universidade oferece mais de 900 espetáculos, alcançando um público superior a 30 mil pessoas.


UFG Future-se Edward Madureira Jair Bolsonaro Governo Federal MEC Ministério da Educação YouTube