Poder Goiás
Goiânia, 30/03/20
Matérias
Foto: Rodrigo Cabral

Segundo Edward Madureira (à esquerda, na foto), a UFG está deixando de pagar prestadores por serviços essenciais para o funcionamento da instituição

Sem dinheiro federal, UFG acumula dívida de R$ 21,3 milhões e não paga contas de energia e limpeza desde junho

24/09/2019 · Por Eduardo Horacio

Devido ao contingenciamento de parte do orçamento pelo Ministério da Educação (MEC), a Universidade Federal de Goiás (UFG) acumula dívidas da ordem de R$ 21,3 milhões com fornecedores e tem o seu funcionamento ameaçado. De acordo com o reitor da UFG, Edward Madureira, a Universidade aguarda o desbloqueio de recursos para quitar as dívidas e evitar uma paralisação.

Segundo Madureira, a UFG está deixando de pagar prestadores por serviços essenciais para o funcionamento da instituição. As despesas com energia (R$ 4,9 milhões) e limpeza (R$ 4,4 milhões) não são quitadas desde o mês de junho, portanto, há quatro meses.

A UFG tinha orçamento aprovado para 2019 de R$ 62,6 milhões. Destes, R$ 26,8 milhões foram contingenciados pelo MEC. No entanto, a expectativa interna é que os recursos sejam destravados para evitar uma iminente paralisação da Universidade.

O governo federal desbloqueou R$ 8 bilhões do orçamento na última semana, destes R$ 1,9 bilhão é para o Ministério da Educação. No entanto, ainda não há informação de que as universidades federais, com orçamento contingenciado, serão contempladas.    


UFG Jair Bolsonaro MEC Ministério da Educação Ensino Superior Edward Madureira